Terra como teto-piso e parede

Argila, areia e pedras locais foram utilizadas para construir o mais extenso muro de terra da Austrália

Primeira casa sustentável, bio-saudável e inteligente do Brasil

Casa que segue padrão europeu é 25% mais barata, resiste a tremores e fica pronta em 6 dias

O que é um projeto sustentável?

Descubra o conceito desse tipo de projeto e no que ele está pautado para melhorar a qualidade de vida das pessoas

Cinco projetos sustentáveis recomendados pela ONU

Veja aqui os cinco casos citados pelo parecer das Nações Unidas como recomendação para implementação mundial

'Casa positiva' na Austrália produz mais energia do que consome

Ao longo de sua vida útil, imóvel será capaz de oferecer os mesmos benefícios ambientais que seis mil árvores nativas australianas

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Eu quero VLT em Salvador




Você sabia que faltam poucos dias para o governo do estado decidir qual tipo de transporte público será construído no trecho entre Lauro de Freitas/Rótula do Abacaxi, passando pela Av. Paralela?


Salvador passará por um momento histórico de mobilidade urbana na av. Paralela quando, no próximo mês, o Governo do Estado da Bahia escolherá entre dois modelos de transporte urbano de massa: o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), que representa a modernidade e a eficiência, e o BRT, sigla em inglês criada para dar um ar diferente ao corredor de ônibus que ainda existe na cidade, que representa a manutenção de um modelo de transporte baseado em ônibus já ultrapassado e saturado. Os moradores das cidades de Salvador, Lauro de Freitas e região metropolitana precisam se unir em prol de um transporte coletivo de qualidade e essa é a oportunidade de sermos ouvidos.




Uma das opções é manter o péssimo sistema de ônibus existente, sem horários definidos, sujos, lentos e superlotados. A isso, chamam de BRT, que transportaria somente 160 passageiros por ônibus. É lento (até 30km/h), poluidor - necessita queimar milhares de litros de óleo diesel diariamente prejudicando o meio ambiente e elevando o calor em nossa cidade -, e necessitaria reduzir o canteiro central da av. Paralela construindo com asfalto mais duas pistas. Sem falar na insegurança dos constantes assaltos a ônibus - gravíssimo problema que assusta quem utiliza o ônibus e que, certamente, será um fator contra a decisão da classe média de deixar o carro em casa e passar a utilizar o transporte de massa -. Com o BRT, sistema patrocinado pelos empresários de ônibus, a cidade continuaria refém dos constantes aumentos do valor da passagem de ônibus e das interrupções das vias de acessos para protestos.

A outra opção é o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), uma espécie de metrô de superfície com alta capacidade de transporte, conforto, segurança, rapidez,e  movidos por energia elétrica. O VLT é capaz de transportar até 750 passageiros por veículo de modo seguro, rápido (velocidade de 70km/h), confortável, utilizando energia limpa, com câmeras de segurança em todos os lugares - o que leva à menor probabilidade de assalto, conservando o verde da av. Paralela – com a instalação dos trilhos sobre a grama, com pontualidade - pois será mais automatizado, e integrado ao futuro metrô de Salvador. Isso estimulará as pessoas a deixarem os carros em casa, o que contribuirá para a redução dos engarrafamentos na cidade. Tudo isso com a possibilidade de uma passagem mais barata e que beneficiará a população de salvador, Lauro de Freitas e região metropolitana. 

Para se ter uma noção, aqui está um vídeo sobre o assunto:




Centenas de cidades no mundo testaram e aprovaram o VLT, sobretudo as cidades européias e até mesmo no Nordeste do Brasil como Fortaleza, Juazeiro do Norte e Crato no Ceará, Recife e Maceió. São cidades que apostam no transporte público de qualidade para seus cidadãos. O BRT, cada vez mais ultrapassado, ainda é utilizado em cidades de países subdesenvolvidos, como Bogotá, na Colômbia e Cidade do Cabo, na África do Sul. Para difundir o BRT o Sindicato dos Empresários de Ônibus de Salvador financiou a ida de vários jornalistas a Bogotá com tudo pago, isso demonstra o investimento que tem sido feito na mídia baiana pelo BRT.




A definição pelo VLT é apenas um começo para o estabelecimento de um novo modelo de transporte que alcançará as cidades de Salvador, Lauro de Freitas e Camaçari, enquanto que o BRT chegaria apenas ao aeroporto de Salvador. O investimento inicial no VLT é maior, mas o custo de manutenção mensal é menor – o que poderá tornar o valor da passagem mais barata. Os benefícios do VLT são infinitamente superiores ao BRT.


Essa é a oportunidade de sermos ouvidos. Assine o manifesto (abaixo-assinado eletrônico) que será entregue ao Governo do Estado da Bahia e deixe evidente o seu desejo por transporte sobre trilhos (VLT, Metrô e Trem no subúrbio). Basta digitar seu nome, seu e-mail, sua cidade, e se desejar, faça algum comentário, e você estará participando da maior revolução já vista no transporte coletivo de Salvador. Participe deste movimento, faltam poucos dias. Acesse o blog na internet – vltemsalvador.blogspot.com - participe das mobilizações que serão organizadas, convide a sua família, os seus amigos, colegas de trabalho, vizinhos e desconhecidos. Procure o(a) seu(sua) vereador(a) e deputado(a), diga-lhe que você quer o VLT. Vamos fazer uma corrente do bem pelo VLT. Por fim, assine o abaixo-assinado. 





Acesse mais informações na internet no blog do movimento "Eu quero VLT em Salvador"

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Terraço Jardim: sustentabilidade e beleza


Matéria da revista Casa e Jardim Online que utilizam o conceito modernista de terraço jardim. Interessante, ecológico e sustentável. Confira abaixo:


Sustentabilidade: uma casa, quatro jardins


Construção moderna em ilha perto de Cingapura tem jardins que cobrem o teto em todos os níveis.



Por Casa e Jardim:




Além de deixar a casa mais fresca e absorver a água da chuva, os conhecidos “telhados verdes” dão um toque de natureza a qualquer projeto de arquitetura. Esta casa, assinada pela empresa asiática Guz Architects, é um exemplo disso. Localizada na ilha Sentosa, em Cingapura, a construção tem quatro andares. Todos os níveis têm acesso a terraços ajardinados, que funcionam como um telhado verde para o piso inferior. Assim, a sensação é de que cada andar é quase uma casa térrea, com área externa. O telhado do último piso é curvo e forrado com grama. Confiram as fotos:



À esquerda, detalhe do telhado. À direita, visão da escadaria, na parte interna da casa. 

Compartilhe:

Twitter Facebook Favoritos