Terra como teto-piso e parede

Argila, areia e pedras locais foram utilizadas para construir o mais extenso muro de terra da Austrália

Primeira casa sustentável, bio-saudável e inteligente do Brasil

Casa que segue padrão europeu é 25% mais barata, resiste a tremores e fica pronta em 6 dias

O que é um projeto sustentável?

Descubra o conceito desse tipo de projeto e no que ele está pautado para melhorar a qualidade de vida das pessoas

Cinco projetos sustentáveis recomendados pela ONU

Veja aqui os cinco casos citados pelo parecer das Nações Unidas como recomendação para implementação mundial

'Casa positiva' na Austrália produz mais energia do que consome

Ao longo de sua vida útil, imóvel será capaz de oferecer os mesmos benefícios ambientais que seis mil árvores nativas australianas

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Terra como teto-piso e parede

Texto adaptado de Igor Leal.

ARGILA, AREIA E PEDRAS LOCAIS FORAM UTILIZADAS PARA CONSTRUIR O MAIS EXTENSO MURO DE TERRA DA AUSTRÁLIA.






A principal e mais básica premissa da arquitetura regional ou vernacular é a integração da edificação construída com seu local de implantação. Essa integração implica em pelo menos três fatores fundamentais: respeito à cultura e regionalidade locais; adaptação da edificação ao entorno existente, natural e construído; e a escolha por materiais existentes no local. Nos conceitos do bioclimatismo, é preciso buscar alternativas que ofereçam melhor adaptação ao clima local e suas características naturais proporcionando conforto ambiental de maneira eficiente. Pode ser considerada sustentável, a arquitetura que engloba esses fatores e oferece soluções viáveis de construção com menor impacto socioambiental.

Seguindo os conceitos do regionalismo, o escritório australiano Luigi Rosselli Architects desenvolveu um projeto que se integra completamente a paisagem de dunas do noroeste da Austrália. Cercado por um solo vermelho rico em argila e areia, o edifício utilizou o que existia em maior quantidade na região como principal material construtivo.



"PARA MIM, A PRIMEIRA E PRIMORDIAL ARQUITETURA É A GEOGRAFIA."
– PAULO MENDES DA ROCHA



Sua localização em uma região remota e o clima subtropical foram os aspectos que direcionaram todas as decisões do projeto. Logo na concepção foi preciso selecionar um material que proporcionasse proteção ao clima adverso e depois de diversos estudos e simulações, foi o próprio solo do terreno que ofereceu a melhor massa térmica. Além dos aspectos climáticos, não foi preciso importar materiais.

Considerado o muro de terra mais extenso da Austrália e possivelmente do Hemisfério sul, O ‘The Great Wall of WA’ (A grande muralha da Austrália) foi concebido como uma operação topográfica, na qual, tetos também funcionam como pisos. Com 230 metros de extensão, o muro de terra serpenteia o terreno criando doze residências que funcionam como alojamentos temporários em uma fazenda. Paredes, tetos e piso foram feitos com o mesmo material, aplicado com uma espessura de 45 cm aumentando ainda mais a capacidade dos ambientes internos de se manterem frescos. Terra, argila, pedras e seixos encontrados no local formaram a paleta de materiais que compõe todas as edificações.



Em entrevista ao site Archdaily, o arquiteto responsável pelo projeto, Luigi Rosselli, contou suas inspirações e influências na seleção de materiais para o projeto:


“A paisagem do noroeste australiano, com o seu solo rico em minério de ferro e areia, e as restrições ambientais e climáticas adversas, serviram como uma grande inspiração para a concepção do projeto. A localização remota e isolada do terreno também exigiu uma solução prática de materiais utilizados. O muro é composto de argila rica em ferro, areia, que é uma característica dominante do local, e seixos e cascalho que foram extraídos do leito do rio nas proximidades. A laje também contém cascalhos e agregados do rio local, que emprestam uma cor avermelhada à sua superfície polida. Neste clima quente e duro, usar terra fez todo o sentido. O componente de argila da parede tem características higroscópicas, e o fluxo de ar ao longo da parede atrai a umidade a partir dele através da evaporação. Este arrefecimento por evaporação reduz a temperatura da parede da mesma maneira que o suor arrefece o corpo.”

No terreno existem, além dos alojamentos, um pavilhão multifuncional, uma capela e um espaço para reuniões. O desenho do muro serve para aumentar a privacidade de cada residência e permitir uma visão comum da paisagem a todos os hóspedes. As varandas cobertas protegem a sala envidraçada da insolação direta e convidam o usuário a apreciar uma brisa fresca do lado de fora. A vegetação de origem local que ornamenta os espaços construídos integra ainda mais entorno e edificação.

A grande muralha teve sua arquitetura reconhecida sendo indicada como finalista aos prêmio do Australian Institute of Architects.

Confira mais imagens aqui:











Fonte do texto: 
Site Arquitetura Sustentável

Fonte das imagens: Site Arquitetura Sustentável

Fotografia: Edward Birch


Compartilhe:

Twitter Facebook Favoritos